"Is not all human life a struggle?"
— Job 7:1 (via community4christ)

"Ás vezes você tem que fazer o que é melhor pra você, mesmo que isso magoe aqueles que você ama."
Dean Winchester. (via auroriar)

"

Then there is the boy you can never stop thinking about. Whenever you see his name, it trips you up. Even if it’s one that belongs to many others, even if he belongs to someone else.

You know he is a symbol of your weakness, your Kryptonite. How he rushes in like wildfire and burns through everything you worked so hard to build since he last left you in ashes.

"
— Lang Leav (Signposts, Lullabies)

"Learn to love solitude, to be more alone with yourselves. The tragedy of today’s young people is that they try to unite on the basis of carrying out noisy and aggressive actions so as not to feel lonely, and this is a sad thing. The individual must learn from childhood to be on his own, for this doesn’t mean to be lonely: it means to not get bored with oneself, because a person who finds himself bored when he is alone, it seems to me, is a person in danger."
— Andrei Tarkovsky on being asked, ‘What would you like to tell young people? (via creatingaquietmind)

"In my mind I am eloquent; I can climb intricate scaffolds of words to reach the highest cathedral ceilings and paint my thoughts. But when I open my mouth, everything collapses."
Isaac Marion, Warm Bodies  (via petrichour)

"I used to build dreams about you."
F. Scott Fitzgerald (via suspend)


"Minha inexperiência é um estorvo. E sei que pode parecer óbvio e ridículo, ao mesmo tempo, mas também é a verdade. Eu luto com todas as fibras do meu ser contra a necessidade absoluta que possuo de ser aceita, e faço longos discursos sobre a importância da autoestima e de ignorar a opinião alheia, mas acabo sempre caindo no mesmo poço de insegurança e desconforto.
Às vezes, é como se estivesse me afogando.
Claustrofóbica e mal conseguindo manter a água fora dos meus pulmões, o pânico é só mais um subproduto do estresse. Porque dizer que eu não ligo é fácil, mesmo quando o nó na minha garganta se faz presente.
É difícil admitir que também temo a solidão. Temo não encontrar nunca alguém que queira tocar meu corpo da forma que os filmes mais ardentes e românticos já me demonstraram. Temo que minhas palavras soem sempre vazias e bobas e desinteressantes. Temo que nunca vá ser a prioridade de ninguém.
É, contudo, humilhante deixar que tais palavras escapem por entre o nó. Então, me calo, fingindo que minhas palavras de motivação – tão verdadeiras para qualquer um, exceto eu – não são mais um fator da minha hipocrisia."